TUDO SOBRE O XADREZ


Uma das estampas mais emblemáticas do guarda-roupa, o xadrez nunca sai de moda. Habitualmente escolhido como estampa da vez do inverno, cai bem em qualquer tipo de ocasião, seja formal ou informal. Nos anos 70, representava os ideais punks, nos 90, tornou-se símbolo do movimento grunge. Nos dias de hoje, adeptos, hipsters ou  lumbersexuais, basta apenas saber qual padronagem se adequa melhor a cada situação e estilo, para se resultar em looks interessantes e modernos.

Estampas geométricas fazem parte da história humana. Na história da moda ocidental, a origem do xadrez pode ser traçada até a Idade do Ferro (700 –50a.C.) no Norte da Europa, mas especificamente nos pântanos da Alemanha e Dinamarca. Pesquisas arqueológicas escavaram vários sacrifícios humanos, nos quais foi possível identificar as padronagens têxteis das roupas das vítimas. Estas se compunham quase exclusivamente de tecidos com padronagem xadrez em fio de lã, tecido 2X2 cruzado (em forma de losango). Os pigmentos de base vegetal davam à cor na lã, naturalmente branca. Um manto encontrado em Thorsberg, Alemanha comprova uma padronagem xadrez combinando 3 tons de azul; já a roupa de uma jovem de Lønne Hede, Dinamarca, compõe-se de saia e blusa em xadrez azul e vermelho com um barrado em xadrez vermelho e branco.

Hoje, este xadrez vermelho e branco é conhecido por padronagem "Medevi square" e considerado a marca registrada do xadrez sueco, assim como a padronagem xadrez branco e preto é conhecido como “Vichy”.

Já os Tartans, tão famosos símbolos dos clãs escoceses surgiram, com este específico propósito, apenas no século XVIII. A falta de tecnologia indispensável para a imensa quantidade de diferentes combinações de tons que classificam os vários clãs, impossibilitava o tingimento homogêneo do fio, necessário para a confecção da padronagem xadrez complexa dos tartans.

Contudo existe evidência da existência de tartans que datam do século 3 a.C.. Escavações arqueológicas, perto de Falkirk descobriram um jarro de terracota com moedas de prata, no qual um pedaço de pano xadrez, nas cores marrom e branca, fora usado como tampa.

Referencias ao tartan ocorrem em vários documentos, pinturas e ilustrações. Uma carta patente em favor de Hector MacLean of Duart, de 1587, garante a concessão de terras em Islay e detalha o pagamento de 60 ells de tecido nas cores branca, preta e verde (as cores do tartan de caça do clã MacLean of Duart).

A palavra Tartan significava, originalmente, “tecido de lã leve” e origina-se do francês tiretaine ou do espanhol tiritana. (fonte: Moda Brasil - Universidade Anhembi Morumbi - Raízes da padronagem dentro da tecelagem Européia)

Conheça a seguir os tipos de padronagens xadrezes em um guia simples e dinâmico, que vai ajudar bastante na hora de escolher qual padronagem se adequa mais ao seu perfil: 

Tartan (ou tartã): O tartan (cuja palavra quer dizer “tecido de lã leve”) é um tipo de xadrez originário da Escócia. No século XVIII, servia para identificação dos clãs escoceses. Embora o mais conhecido seja o tartan de predominância vermelha, existem milhares de variações de cores. A maioria das tradicionais vestimentas kilt são estampadas com este tipo de pattern. Adotado no mundo da moda, sem mais sua funcionalidade hierárquica e social, o tartan virou queridinho nas araras das lojas e até mesmo de grandes grifes como Alexander McQueen.






Burberry: Padronagem criada pela grife britânica Burberry. Uma das marcas registradas mais copiadas ao redor do mundo. Sua característica é o fundo rosado com linhas em branco, preto e vermelho.













Vichy: Padronagem formada por quadrados pequenos, aparece geralmente com as cores vermelho e branco ou preto e branco. Xadrez típico de toalhas de mesa presentes em piqueniques, representados em filmes e desenhos. Outras cores intercaladas com branco são super possíveis no xadrez Vichy. Os quadradinhos coloridos sobre um fundo branco foram muito usados na década de 50.









Príncipe de Gales (Glen Plaid) ou Prince Of Wales: Assim como o tartan, é originária da Escócia, século XIX. Mas foi popularizada pelo Duque de Windsor (Edward VIII, Príncipe de Gales), que emprestou o seu título à estampa. Geralmente reproduzida com cores sóbrias, é muito comum em alfaiataria.










Argyle: É o xadrez com padrão a partir de losangos transpassado por listras geralmente em cores contrastantes. Comum em roupas masculinas, a estampa é formada por losangos, geralmente em tons sóbrios, cortados por linhas de cor contrastante, geralmente bege, branco ou preto. Novas versões do Argyle não são difíceis de achar por aí, com cores mais cítricas, ou tons pastel.









Pied-de-Poule e Pied-de-Coq: É o preto-e-branco clássico de inverno, e nunca sai de moda. Agora, qual a diferença entre essas duas padronagens tão parecidas? O “pied-de-poule”, em francês, significa pé de galinha, enquanto “coq”, galo. A estampa que leva o nome de pé de galinha é formada por formas menores, enquanto o de galo, pela versão ampliada. Fácil de decorar. A estampa bicolor é maior e lembra a pegada de um galo. Daí seu nome (Piede-de-coq: “Pé de galo”). A diferença para o pied-de-coq está no tamanho. Ele é miúdo. Coco Chanel foi a responsável pela divulgação do diferente xadrez no mundo da moda.  




Madras: Muito comum na moda primavera/verão, geralmente está presente em tecidos leves e peças confortáveis. Originária da Índia, inspirada nos trabalhos artesanais de patchwork.













Buffalo Check: Também conhecida como Buffalo Plaid, é uma forma mais simples de xadrez com apenas duas cores e listras mais grossas. É tipicamente americana e considerada a estampa dos lenhadores, atual estampa dos lumbersexuais. Diz a lenda que, recebeu este nome porque os índios trocavam couro de búfalo por esse tecido. Parece ter origem remota no tartan escocês do clã MacGregor (vermelho e preto). Uma estampa mais tradicional, muito popular em roupas flaneladas, cobertores e mantas.






Para se ter um visual atual, a ideia é buscar peças que misturem padronagens e causem efeitos ópticos. Uma gola, um bolso, uma manga...Também estão em alta os tons degradê, mas cuidado para não ir em direção ao senso comum. 

1. Gitman Vintage; 2. Polo Ralph Lauren; 3. Burberry Brit; 4. Gucci; 5.Freemans Sporting Club; 6. Hardy Amies; 7 e 8. Gitman Vintage; 9. A.P.C.; 10. Folk; 11 e 12. Simon Miller; 13 e 14. Canali; 15. Kolor; 16. McQ Alexander McQueen; 17. Polo Ralph Lauren; 18. Thom Browne; 19. Isaia; 20 e 21. Billy Reid; 22. Levi's Vintage Clothing; 23. Marc by Marc Jacobs; 24. Givenchy; 25. J.Crew; 26. Alex Mill; 27. J.Crew; 28. Givenchy; 29. Neighborhood; 30. Freemans Sporting Club; 31. Hardy Amies; 32. Barena; 33. Boglioli; 34. J.Crew; 35. Dunhill


Nas ruas:

ÚLTIMAS POSTAGENS