31.7.16

Tudo sobre a Meia Masculina


As meias possuem um simples propósito: proteger os pés do atrito causado pelos calçados. E claro, reter a transpiração dos pés e seus respectivos odores. Hoje ganham status de item fashion do guarda-roupas sejam em tons quentes, frios, neutros, com padronagens ou o que o estilo possa permitir.

A primeira regra básica do guarda-roupa masculino extremamente formal começa pelos pés: todo homem deve usar meias até os joelhos, para que se evite mostrar as pernas ao estar sentado ou em pé. Partindo deste princípio, outra regra de grande importância deve ser seguida sem grandes questionamentos: em ocasiões formais, a meia deve necessariamente seguir o mesmo tom da calça ou do sapato. Ou seja, calça preta e meia preta, sapato marrom e meia marrom. E ponto. A democracia da moda, assim como a individualidade, podem ser as máximas atuais nos discursos dos mais modernos, mas não existe nada mais cafona como aquele que usa uma vestimenta formal e meias brancas esportivas. É algo fora se questão e sim, proibido!

Ao adquirir novas meias para o guarda-roupas, a maioria dos homens não dão atenção para o estilo, mas sim para o preço e abusam dos pacotes de meias esportivas, democratizando este item para qualquer ocasião. Namoradas, noivas, esposas e amantes, que habitualmente fazem compras para seus parceiros, também não se atentam à importância de uma boa escolha das meias. Acabam também por cair nas graças dos pacotões de ofertas “leve cinco e pague três”. Ao investir em meias novas, ainda que mais caras, opte sempre pelas de boa qualidade. As confeccionadas com fibras naturais, por exemplo, possuem uma capacidade muito maior de absorver a umidade, o que diminui a probabilidade de pés suados.

Não existe nada pior que punho de meia frouxo. E nada de meias puídas, furadas, rasgadas… Nem preciso dizer o por quê. E uma dica mais que preciosa na hora das compras: meias lisas são sempre uma ótima opção para aqueles que nem sempre se encontram seguros ao seguir ousadias fashionistas. Elas são fáceis de combinar com qualquer calçado e até mesmo peças do vestuário, já que as de padronagens exigem sempre um maior senso fashion.

Leve sempre em consideração não somente a cor do sapato, mas também, a cor da calça, casaco e assim por diante. Para iniciados, uma meia que contraste com o restante pode ser uma boa maneira de personalizar o look. As com padronagens e coloridas estão em alta e quanto maior o contraste, melhor o resultado. Para aqueles que querem apostar em estilo, comecem por padronagens pequenas em fundo preto. Como as de gravata. Gradativamente, habitue-se com o contraste para aí sim abusar das opções que o mercado hoje oferece. Usar meias no mesmo tom de cor da calça é uma dica básica e primordial para aqueles que não querem errar. E sim, alongam a silhueta: suas pernas parecerão mais compridas e você, consequentemente mais alto. Já para a calça jeans, o ideal é que a cor da meia dialogue entre a calça e o calçado. Meia branca esportiva nem sempre causa um bom resultado. Ela só deve aparecer na academia, na corrida do parque e no passeio de bicicleta. Na dúvida, vai de meias pretas!

COMPARTILHAR:

30.7.16

Havaianas lança sua primeira coleção Eyewear


A coleção Havaianas Eyewear – feita em uma parceria inédita com a Safilo – é a grande novidade da marcapara o segundo semestre de 2016. A linha, repleta de cores e modelos, expressa toda a irreverência e brasilidade da marca, já reconhecida e admirada em todo o mundo.

Os óculos trazem o espírito do verão brasileiro com muitas cores e combinações inusitadas, que assim como as sandálias, vão da areia das praias para os centros urbanos. A linha possui 4 modelos de óculos de sol, com tamanhos e cores variadas, batizados com nomes de famosas praias brasileiras, são elas: Rio, Paraty, Trancoso e Noronha. Além destes quatro shapes, a coleção tem um modelo especial batizado de Brasil. O único óculos da coleção produzido em acetato, e que possui layers nas cores da bandeira nacional.

Os óculos são produzidos em três materiais: borracha, acetato e poliamida transparente (material mais flexível e confortável), em tamanhos que vão do pequeno ou júnior ao grande. Já as lentes possuem proteção UVA/UVB com diferentes finalizações: sólida em preto ou marrom, gradiente (com graduação de cores de escura a clara) e espelhada. Todos os modelos são unissex e vendidos com capinhas de neoprene, que podem ser escolhidas dentre seis opções de cores, são elas: cinza, azul, verde, vermelho, laranja e amarelo.

A coleção Havaianas Eyewear estará disponível no dia 02 de agosto, nas lojas próprias e franquias Havaianas, além de óticas espalhadas por todo o Brasil. Os preços variam de R$ 199,00 a R$ 399,00



COMPARTILHAR:

27.7.16

Como usar camisa jeans?


Sendo a camisa uma das peças iconográficas do guarda-roupas masculino, é de hábito apostarmos em padronagens e tecidos mais simples e práticos para o nosso dia-a-dia. Seja xadrez ou lisa, quase sempre branca, a opção em jeans dificilmente se passa na nossa cabeça no momento de adquirir uma nova peça. A camisa jeans, sucesso nos anos 90, pode ser uma boa aposta de estilo. O tecido universal não é um grande segredo e cai muito bem na hora de criar um look  tanto casual quanto formal.

Nessa época do ano em que as temperaturas se encontram mais amenas, a camisa jeans é um item sempre bem-vindo seja no ambiente de trabalho, um passeio ou até mesmo em situações onde o look pede uma elaboração maior. O resultado depende da combinação das peças que acompanharão a camisa jeans.

Para um bom resultado, aposte em bermudas, tênis, calças coloridas - preta, bege, cáqui, cinza - e até mesmo em calças de alfaiataria. Lembre-se que o foco é a camisa jeans. Sobreposições trazem contemporaneidade e estilo. Spikes e tachas trazem modernidade, assim como botas pesadas. Jeans com jeans é um mix interessante para o visual. Se a camisa traz uma lavagem clara, a calça pode trazer uma lavagem escura e vice-versa. Se for o mesmo tom, quebre com um cinto ou até mesmo sobreposições como uma jaqueta ou blazer, por exemplo. O colarinho abotoado é tendência e o tye-die dá para fazer em casa.

Confira a seguir algumas imagens de street-style que irão lhe ajudar a compor um bom visual apostando na camisa jeans:

COMPARTILHAR:

26.7.16

Família homoafetiva na campanha de "Dia dos Pais" da C&A


A C&A acada de lançar sua campanha do "Dia dos Pais" em um comercial surpreendente e emocionante de quase dois minutos. Intitulada “Encontros”, o objetivo é explorar as misturas de diferentes atitudes e etnias, que se unem para celebrar a relação familiar.

Seguindo o conceito de suas últimas campanhas publicitárias (que já pautaram assuntos como moda agênero e igualdade de gêneros), a C&A aposta em diferentes perfis de pais e filhos, incluindo variações de idade e etnias. O filme, produzido pela AlmapBBDOE, começa com dois grupos de pessoas dispostas frente a frente, pais e filhos, cada um exibindo sua forma de expressão por meio de roupas e atitudes. Conforme a música se inicia, um grupo corre em direção ao outro e surge uma mistura, uma combinação improvável: as famílias se abraçam e revelam que a cumplicidade e a afinidade entre eles também podem existir, mesmo com as diferenças. Ao final, a locução em off reforça: “Pais e filhos. A mistura mais linda.” O vídeo se encerra com a assinatura da campanha, “C&A. Misture, ouse e surpreenda”, e com um convite para o público acessar a loja virtual da marca. Entre os encontros, a surpresa de um casal homoafetivo e sua filha bailarina. Vale a pena conferir:    


Para quem ficou curioso pela trilha sonora, a mesma foi composta pela produtora Satélite, com exclusividade para o filme, e é interpretada pelo cantor belga Thomas Oosterlynck, líder da banda Amongster.

Esta é mais uma peça publicitária da C&A que entra para a história da propaganda nacional. A campanha do "Dias dos Namorados", lançada em maio passado, por exemplo, trouxe a discussão de igualdade de gêneros ao mostrar homens usando roupas de mulheres e vice-versa. Já a campanha "Misture, Ouse e Divirta-se" lançada em março, colocou em pauta a discussão da moda agênero onde em determinada cena, um modelo aparece com um vestido florido da coleção. 
COMPARTILHAR:

25.7.16

Música: um bom antídoto contra o machismo e o preconceito

Filipe Catto, cantor e compositor

Todos nós, lgbts, nascemos em uma sociedade machista, misógina, preconceituosa e heterossexista. Ouvimos a todo instante que gay não presta, que sapatão não conheceu um homem de verdade, que bissexual vive em cima do muro, que traveco é sem vergonha, e que trans não apanhou o suficiente. Mesmo sendo um amontoado de asneiras, esses discursos provocam um sentimento de inadequação, anormalidade, doença e pecado, obviamente introjetado em nossa mente.

Com relação à orientação sexual, de acordo com a psicóloga clinica, Adriana Nunan em seu livro "Homossexualidade: do preconceito aos padrões de consumo" o homossexual ou decide assumir a própria homossexualidade, suportando a possibilidade de rejeição, discriminação e marginalização, ou mantêm segredo sobre a orientação sexual, tendo que defrontar com o isolamento, falta de apoio e a dificuldade de levar uma “vida dupla”. Quando se assume a homossexualidade ela simultaneamente erotiza e viola a masculinidade e a feminilidade, que socialmente são concebidas como padrão. Assumir uma identidade não aprovada socialmente é um árduo processo para o sujeito até ele resolver se revelar para as outras pessoas.

Muito além das dúvidas de - para quem, como e quando contar - não se sabe qual será a reação das outras pessoas e esta atitude coloca em risco a perda de conexões humanas importantes como família e amigos íntimos. E se tivéssemos mais lgbts visíveis no mundo? Certamente haveria muitos modelos positivos para que os jovens pudessem se espelhar. Talvez esteja no embate “visibilidade x invisibilidade” a tensão produtiva para a saída para uma convivência harmoniosa e para a diminuição da estigmatização. Entretanto, todos os remédios contra o preconceito envolvem comunicação e tempo.

A arte é um belo exemplo de comunicação de crenças, formas de linguagem, operações linguísticas, significados, sentidos e de expressão de identidades positivas. Por isso, vamos falar de uma leva de cantores e cantoras lgbts que vem causando um frisson entre a juventude, legitimando novos padrões de comportamento.

Ao assistir ao 26º Prêmio da Música Brasileira, que no ano passado homenageou os 50 anos de carreira de Maria Bethania vi boquiaberto, após Alcione interpretar “Negue” de Adelino Moreira / Enzo de Almeida Passos e Letícia Sabatella declamar “Quando o amor vacila” de Fernando Pessoa, entra no palco um rapaz com os olhos marcados por delineador, uma blusa negra transparente, calças legging preta e um casado imitando penas cantando “Lama” de Dolores Duran. Depois fiquei sabendo que era Johnny Hooker.

Pernambucano, de 28 anos de idade, Hooker é um cantor, compositor, ator, roteirista e diretor, ganhador do Prêmio da Música Brasileira de 2015 como Melhor Cantor na categoria Canção Popular. Ator e canto da música "Volta", trilha do filme Tatuagem, "Amor Marginal" que foi trilha da novela Babilônia e "Alma Sebosa" trilha da novela Geração Brasil, na qual Johnny interpretou o personagem Thales Salgado. Seu primeiro disco solo, o aclamado "Eu Vou Fazer uma Macumba pra Te Amarrar, Maldito!" alcançou primeiro lugar na plataforma de streaming Deezer e foi também número 1 no chart MPB do Itunes Brasil. Em uma entrevista, Johny declarou: “O mundo está mudando e sempre vai ter essa primeira reação de quem quer empurrar a roda da história para trás. Mas a roda vem com tudo e eu venho com ela”.


Conheci Assucena Assucena e Raquel Virginia, ambas com 27 anos de idade em uma matéria da Revista Brasileiros. Elas são vocalistas da banda “As Bahias e a Cozinha Mineira”. São transexuais e cantam para espantar o machismo e a homofobia, como disseram em uma reportagem à Folha de São Paulo. Cantam musicas que falam das pautas feministas em “Mulheres”, “Uma canção pra você” ou “Apologia às Virgens Mães”. Assucena diz que numa festa na USP chegou a ser ameaçada de apanhar. “Um rapaz me disse: se encostar em mim vai receber um murro. Vou quebrar sua cara”. Ela rebate e cita Simone de Beauvoir: “ninguém nasce mulher, torna-se mulher”.


Conheci Liniker através do Youtube. Com apenas 20 anos de idade, natural e Ararquara/SP. ele canta black music e soul e soma mais de 1 milhão de visualizações no clip em que aparece de saia, brincos, batom escuro, colar, turbante e bigode. “Quando me questionam sobre gênero, eu falo que eu não sei quem eu sou e eu acho que é importante viver essa dúvida também. Eu não preciso ter uma certeza de ‘sou homem’ ou ‘sou mulher’, meu corpo é livre, meu corpo é um corpo político, ele merece a liberdade dele e eu preciso caminhar com isso, aceitar que eu sou assim”, disse ao G1.

- “Comecei a escrever e falei ‘vou escrever sobre o que eu sinto, sobre essas relações, sobre como me atravessam, sobre como é sentir isso dentro de mim'", explicou. Sua música está conquistando milhares de internautas que transformaram seu EP “Cru” em um sucesso.
“Já sofri críticas relacionadas a racismo, mas relevei. Foi publicado um vídeo em uma página, havia uns comentários bastante tortos e eu pensei ‘é me empoderando que eu vou conseguir acabar com isso’. Acho importante quando as pessoas se empoderam. Em uma situação como essa, penso ‘você não vai me oprimir mais’”, falou.


A Banda Uó veio da cidade de Goiânia, e é formada pelo trio de amigos Davi Sabbag, Mateus Carrilho e a transexual Mel Gonçalves, a Candy Mel. Tocam tecnobrega e a adaptação da Whip my Hair, de Willow Smith, que na versão do trio virou "Shake de Amor", entrou para a seleção do VMB, na MTV Brasil e ganhou destaque não apenas na internet, mas em diversos programas televisivos no Brasil. A vocalista da Banda Uó, Candy Mel foi convidada para ser a protagonista da campanha #EuUsoAssim da Avon para comemorar o Outubro Rosa de 2015. Enquanto a maioria das campanhas apostaram no padrão heteronormativo vigente, a Avon trouxe uma mulher trans para falar sobre beleza e câncer de mama. No vídeo, Candy fez um tutorial com produtos em tons de rosa e roxo - provando que dá para abusar das tonalidades e montar um make poderoso para qualquer hora do dia. Em nenhum momento é mencionado que ela é uma mulher trans - até porque o fato de ela estar ali já é algo de tamanha importância para a comunidade LGBTT.


Jaloo, nascido em Castanhal, cidade a 80 quilômetros de Belém, no Pará, tem 27 anos. Passou a infância muito ligado em videogames e nada em música. Mas depois que um amigo o apresentou aos discos da cantora islandesa Björk e os de outros experimentalistas da música pop eletrônica, ele virou um obcecado pelos softwares musicais.

— Não conseguia parar, todo dia eu acordava e queria criar algum beat novo. As coisas que eu fazia nem eram tão boas, mas funcionavam como terapia — diz ele, um autodidata em produção (aprendeu tudo em tutoriais do YouTube) e virtuoso no FruityLoops, programa de edição musical que muitos já consideram ultrapassado. — Minha maneira de compor é totalmente visual, por isso continuo até hoje no FruityLoops, fiz todo o disco com ele. Me dê um limão que faço uma limonada.
Ele chamou a atenção dos cenários pop e eletrônico underground quando lançou seu EP de estreia, Insight, em 2014. E agora promove o seu álbum de estreia, #1, e seu novo clipe, Last Dance, que foi dirigido e roteirizado por ele mesmo. E o fato de ter começado bem ao lado da cena tecnobrega de Belém só ajudou Jaloo. Para interpretar as músicas do disco ele tem o acompanhamento de Irina Bertolucci (nos teclados) e Naná Rizinni (na bateria eletrônica).


Já Filipe Catto, 26 anos é cantor, compositor, violonista e pianista brasileiro, nascido em Lajeado (RS), criado em Porto Alegre e radicado em São Paulo. De pele alva, traços finos, cabelos e olhos negros é um daqueles fenômenos da música em que basta uma única audição para causar uma sensação de frescor no ouvinte atento. Emplacou a cancão "Saga" na novela global Cordel Encantado, mas ao ouvir sua voz fina música, imagina-se que é uma mulher. Em entrevista para Eleven Culture, ele diz: As pessoas sempre tentaram me encaixar em um estereótipo, porque era muito difícil pra elas entenderem minha voz. Pra mim, por exemplo, o fato de não me montar era a transgressão maior, porque tudo que se esperava de mim era exatamente que eu correspondesse a uma imagem feminina nas roupas e na maquiagem pra justificar minha voz andrógina, mas sempre achei que no meu caso isso seria redundante, clichê. O mais importante quando falamos de quebrar os paradigmas do gênero é questionar esses padrões pré-concebidos.

Discutir, problematizar e diluir a heteronormatividade é, para Felipe, muito natural. Em entrevista para o site UOL ele fala: - Todas essas questões são muito latentes no presente. Eu vejo muito essa liberdade como os jovens se comportarem de uma forma ‘gender free’. Não é que o mundo esteja mudando, o mundo mudou. O conservadorismo é uma resposta a isso que está se tornando tão natural. Na política, há uma esfera da sociedade que não está conseguindo aceitar que o mundo já mudou, já é diferente, e esse conservadorismo atual quer fazer retroceder. As pessoas estão desesperadas porque elas não vão conseguir barrar essa revolução. Faz cinco anos que o Brasil pegou um celular na mão com internet, então, é muito grande tudo o que está acontecendo. "Tomada" tem essa pegada, a gente estava com medo de andar na rua, naquele momento, a violência e a homofobia estavam muito grandes”.


Para finalizar, pode-se inferir que o indivíduo pode escolher adotar ou não uma identidade gay. Quando decide adotar um “estilo de vida gay”, o sujeito tem que passar pelo rito de se assumir como tal, termo também utilizado como “sair do armário” ou “coming out”, no que consiste em revelar a sua orientação sexual seja para seus familiares, amigos ou colegas, ganhando assim uma visibilidade pública.

Johny Hoocker; Assucena Assucena e Raquel Virginia d’As Bahias e a Cozinha Mineira; Liniker; Davi Sabbag, Mateus Carrilho e Candy Mel da Banda UÓ; Jaloo e Filipe Catto são artistas que embaralham e confundem os gêneros e as identidades de maneira despudorada e positiva, tanto em suas vidas pessoais quanto em suas criações, clipes publicados na internet, em seus discos e shows. E ao fazerem isto nos dizem que devemos nos vestir como quisermos, expressarmo-nos como quisermos e amar quem, quando e onde quisermos. Eles colocam as novas gerações em sintonia com a contemporaneidade e a possibilidade de vivenciar gênero, sexo e identidade de maneira mais libertária que a minha geração.

Ainda bem.

Autor: Paulo Reis - Doutor em Educação, Ativista LGBT e Consultor em Gênero e Direitos Humanos
Contato: re_pare@yahoo.com.br
COMPARTILHAR:

Ateliê Bar acontece no Sto. Ócio nesta quarta-feira, 27 de julho


Ateliê Bar une arte e happy hour (Foto: Dilvugação)

O Ateliê Bar acontece no Sto. Ócio nesta quarta-feira, dia 27 de julho, promovendo uma noite que irá unir o Happy Hour com a pintura em tela em uma nova tendência de entretenimento criativo e conceito social de pintar. 

O projeto trás uma opção de descontração inédita para Campinas e região, levando a pintura em telas para bares, restaurantes e eventos pela cidade, com o objetivo de mostrar que a arte não é só para os artistas, mas sim democrática, acessível para qualquer faixa etária e nível social. Basta ter vontade.

O  Ateliê Bar já passou por locais como Toca da Vila, Linguiceria e Café Container. Os convites já estão a venda e podem ser adquiridos aqui. Compras antecipadas recebem desconto no valor da entrada, que garante materiais para as pinturas e não inclui valores consumidos do cardápío do bar. 

Exercite ou descubra seu lado artístico em uma noite que promete no mínimo grandes surpresas e grandes criações. 

Serviço:

Ateliê Bar no Sto. Ócio Bar
Data: 27 de julho
Horário: a partir das 19 horas
Local: Sto. òcio Bar
Evento proibido mpara menores de 18 anos
Valores: R$ 40,00 antes e R$ 50,00 no local. Os valores correspondem ao material fornecido para o evento.
Endereço: Rua dos Alecrins, 740, Cambuí - Campinas/SP. Quase na Avenida Norte Sul.
Informações e Reservas: (19) 2511-2010
Ingressos antecipados: sympla.com.br/atelie-bar-no-sto-ocio (cartões de crédito e débito)
Sto Ócio: facebook.com/stoocio
Ateliê Bar:  facebook.com/AtelieBar
COMPARTILHAR:

Restaurante Abbraccio oferece benefícios especiais para aniversariantes


O Abbraccio Cucina Italiana lançou um pacote especial de benefícios para os clientes que comemorarem o aniversário em um dos restaurantes da rede.  O presente para o aniversariante começa com a cortesia de um prato principal e uma bebida (exceto jarras e garrafas), além de um voucher no valor de R$ 50,00, para ser usado na próxima visita ao restaurante.  A celebração é completa com o ambiente aconchegante e acolhedor que os restaurantes oferecem e com um cardápio com as tradicionais receitas italianas apresentadas de uma forma moderna e saborosa. Uma carta democrática de vinhos e opções deliciosas de drinks possibilitam boa pedida para animar a comemoração.

Para garantir os benefícios é muito fácil, basta o aniversariante ir  jantar com um grupo de cinco pessoas ou mais e apresentar documento com foto. O cliente pode solicitar o  pacote de benefícios durante todo o mês do aniversário, desde que seja no período de jantar, de quinta-feira a domingo, a partir das 17h30.

Para aqueles que quiserem celebrar com um grupo maior de pessoas em um ambiente mais privativo, alguns restaurantes Abbraccio contam com o Spazio Abbraccio, uma sala privativa para tornar o evento mais especial e pessoal. As salas comportam de 20 a 30 pessoas e é o espaço ideal para comemorações, podendo ser reservada pelo telefone do restaurante de preferência.

Sobre o Abbraccio Cucina Italiana

A rede de restaurantes de inspiração italiana Abbraccio veio transformar o comum em extraordinário. Com uma cozinha aberta que permite aos clientes acompanharem a preparação dos pratos, o conceito une a intensidade do aroma e dos sabores característicos da culinária italiana com uma experiência sensorial única. Destaque para a hospitalidade, atendimento caloroso e um mix de produtos que são releituras de clássicos com um toque contemporâneo. A rede pertence ao grupo Bloomin’ Brands.

Serviço:

Abbraccio – Iguatemi Campinas
Endereço: Avenida Iguatemi, 777, Vila Brandina, Campinas - primeiro piso
Telefone: (19) 3294-0365
Horário de Funcionamento: Segunda-feira a quinta-feira: 12h às 15h - 17h30 às 23h; sexta-feira: 11h30 às 15h - 17h30 às 01h; sábado: 11h30 às 01h; domingo: 11h30 às 22h30
Celebrare: 17h30 às 20h (de segunda a sexta, exceto feriados)
COMPARTILHAR:

24.7.16

"Mulher-Maravilha" ganha seu primeiro trailer oficial. Assista aqui!

Primeiro pôster oficial do longa "Mulher-Maravilha", com Gal Gadot no papel principal

A Warner finalmente divulgou o primeiro trailer do longa metragem "Mulher-Maravilha". A ação aconteceu nesse último sábado, 23 de julho, durante a Comic-Con International: San Diego 2016. Como já vimos no morno "Batman Vs. Superman: A Origem da Justiça"(2016), a atriz Gal Gadot ficou incumbida em assumir umas das principais personagens femininas da DC Comics: Diana Prince, a Mulher- Maravilha. O trabalho ainda se torna mais difícil e inspirador quando temos em nosso inconsciente a imagem de uma icônica Lynda Carter, que no período de 1976 a 1979, deu vida pela primeira vez à mulher mais poderosa do universo, no seriado de TV "Wonder Woman", um dos standards da cultura pop mundial e exibido até hoje em canais por assinatura. 

Gal Gadot, lindíssima atriz e modelo israelense, conhecida pela franquia "Velozes e Furiosos", não se fez de rogada e encara o desafio de forma bem segura. Para um papel que já se cogitaram nomes como Sandra Bullock e Megan Fox, Gadot ganhou na loteria, como já vimos em uma das cenas mais impactantes (e de marketing) de "Batman Vs. Superman", ao sermos apresentados à estética atual da personagem. Mas agora, em um longa solo e amplamente aguardado, tudo faz a crer que a maior e mais popular heroína de todos os tempos ganhou um filme à altura de sua representatividade. 

Em "Mulher-Maravilha", o roteiro conta a história do surgimento de Diana Prince, treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível e que nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Rogers (Chris Pine) se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra. A guerra no caso é a Segunda Guerra Mundial e foi bem interessante a perspectiva dos roteiristas em ambientar a história através desse prisma, já que em "Batman Vs. Superman" e no inédito "Liga da Justiça" (também apresentado na Comic-Con International e previsto para novembro de 2017), a personagem está nos dias atuais. 

O filme é dirigido por Patty Jenkins ("Monster: Desejo Assassino" e "The Killing"). Lembrando que Charlize Teron ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo papel de Aileen Carol Wuornos, a primeira serial killer dos EUA em "Monster: Desejo assassino". Não quer dizer que Gadot será indicada a algum prêmio, mas a diretora tem belo olhar e mão para guiar suas atrizes. Além do roteiro, que traz um discurso bem empoderado sobre o papel da mulher, perante a visão de conceitos da personagem principal e do mundo que ela descobre existir. Sem contar que o longa é o primeiro filme moderno de super-heróis focado exclusivamente em uma protagonista mulher. Além de Gal Gadot como Diana Prince/Mulher-Maravilha e Chris Pine como o capitão Steve Trevor, o elenco conta com os atores Robin Wright, Danny Huston (American Horror Story), David Thewlis, Ewen Bremner, Saïd Taghmaoui, Elena Anaya e Lucy Davis. O filme teve Reino Unido, França e Itália como locações.

Assista ao primeiro trailer de "Mulher-Maravilha", que estreia nos cinemas em 1º de junho de 2017:

COMPARTILHAR:

23.7.16

NikeLab ganha loja pop-up no RJ e lança parceria com Pedro Lourenço

A NikeLab irá lançar no Brasil sua parceria com estilista Pedro Lourenço, que desenhou um novo modelo Roshe One e dois novos AIR MAX em homenagem às cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. O lançamento acontece no dia 28 de julho, com a abertura de uma loja pop-up NikeLab no RJ, cede dos Jogos Olímpicos. Durante o funcionamento, o espaço irá contar com uma exposição permanente da jaqueta de pódio dos atletas brasileiros. 

A partir da abertura, a cada semana, a loja receberá um lançamento diferente acompanhado de uma expôsição. Para a parceria de Pedro Lourenço, fotografias das duas cidades que inspiraram o estilista irão enfeitar a loja em fotos de João Arraes. Na semana seguinte chega a coleção estampada da parceria com Riccardo Tisci com instalação de Simone Lourenço baseada nas estampas florais das peças. Já no dia 11 de agosto é a vez de NikeLab X Kim Jones, com ambientação colorida montada pelo arquiteto Marcelo Jácome.  

Nike Roshe One em homenagem ao Rio de Janeiro, por Pedro Lourenço - R$549,90

AIR MAX 90 em homenagem a São Paulo, por Pedro Lourenço - R$ 599,90

AIR MAX 90 em homenagem a São Paulo, por Pedro Lourenço - R$ 599,90
A loja temporária irá operar entre os dias 28 de julho e 21 de agosto, diariamente das 9h às 21h. Para quem não estiver no Rio de Janeiro, poderá adquirir os produtos no site brasileiro da Nike ou na Cartel 011.

Loja Nikelab
De 28/07 a 21/08, das 9h às 21h
Endereço: Rua Visconde de Pirajá, 450, 3° andar, Ipanema, Rio de Janeiro/RJ
Informações: (21) 2128-1800

Cartel 011
Endereço: Rua Artur de Azevedo, 517, Pinheiros, São Paulo/SP
Informações: (11) 3081-4171
COMPARTILHAR:

SIGA A GENTE NO FACEBOOK

RECEBA NOSSA Newsletter

 

ARQUIVO